sexta-feira, 25 de junho de 2010


Uma voz soou e invadiu meu quarto

A janela aberta exibiu o som libertador

Meus ouvidos não queriam parar de ouvir aquela voz

Até que algo fez com que a cala-se.

- Eu a quero! - Gritava importunada

E nada a fazia voltar.

Aonde foi? Onde está?

Preciso desta voz em mim!

Um comentário:

  1. Lindo poema!
    As vezes nós gostamos tanto de algo que acabamos perdendo. Pode ser o destino ou quem sabe castigo. Apenas ficamos triste ao perder o que gostamos.
    Muito legal aqui.Beijos!

    ResponderExcluir

Diga-me tudo. Não esconda-me nada.